The European Venue for Green Ideas
Follow us on
Society, Media and Culture

A política do microtrabalho e das máquinas

By Antonio Casilli , Lorenzo Marsili

Com a moda em torno da automação e da robótica, muitos argumentam que em breve veremos o trabalho em massa desaparecer completamente. O sociólogo Antonio Casilli discorda. O trabalho não está desaparecendo, ele argumenta nesta entrevista com Lorenzo Marsili, mas está sendo transformado pelos gigantes da economia digital. Entender como o mundo do trabalho está mudando é a questão política fundamental do futuro.

Lorenzo Marsili: você afirma que os medos da automação são uma das preocupações humanas mais recorrentes. Você acha que o alarme sobre “robôs tomando nossos empregos” deve ser atenuado?

Antonio Casilli: temos medo de uma “grande substituição” dos seres humanos por máquinas. Este é um conceito muito antigo que nos remete ao início do capitalismo industrial. Nos séculos XVIII e XIX, pensadores como Thomas Mortimer e David Ricardo perguntaram se a ascensão do poder da máquina a vapor ou de usinas mecanizadas implicava na “substituição da raça humana”. Esta visão foi claramente uma profecia distópica que nunca foi percebida na forma originalmente prevista.

Mas quando os empregos foram perdidos, foi porque os gerentes e investidores decidiram usar máquinas – como ainda fazem – como uma ferramenta política para exercer pressão sobre os trabalhadores. Tais pressões servem para empurrar para baixo os salários e, por extensão, para expandir os lucros gerados pelo capital. As máquinas têm, consequentemente, um alinhamento ideológico preciso que beneficia tipicamente a parte da sociedade que possui meios financeiros, à custa daquele que trabalha.

Como resultado, a retórica em torno de máquinas como destruidoras de emprego é inevitável e tem sido usada durante dois séculos para espremer a força de trabalho e silenciar suas demandas. O discurso que rodeia a automação hoje, com o medo que acompanha os robôs, é uma reprodução dessa mesma retórica.

Lorenzo Marsili: vamos dar um passo para trás. A “economia Gig” se tornou sinônimo de emprego precário, mal remunerado. Você escolhe se concentrar no conceito de “microtarefa”. A que se refere quando trata deste conceito?

As microtarefas são processos produtivos fragmentados e subremunerados. Exemplos incluem a tradução de uma linha, de um texto ou uma página, assistir 10 segundos a um vídeo de vigilância de uma hora, e marcar o conteúdo de cinco imagens. Os microtrabalhadores são pagos geralmente com alguns centavos por tarefa. Estas tarefas são afixadas geralmente em plataformas de microtrabalho que funcionam como mercados de trabalho ou Web site de busca de trabalho. Os microtrabalhadores podem escolher a tarefa que querem executar e levam alguns minutos para completá-la. As microtarefas estão se tornando cada vez mais importantes em domínios e são tão abrangentes como marketing, visão computacional e logística, para citar apenas alguns. A menor microtarefa é o clique único, podendo ter remuneração tão pequena quanto um milésimo de um dólar.

Estamos falando de um novo fenômeno significativo ou é mais de uma área de nicho?

Somos confrontados com um problema estatístico ao investigar o microtrabalho, primeiro porque é compartilhado com a economia Gig e, de fato, contém todos os tipos de trabalho informal, atípico ou não declarado. Sua escala e penetração é difícil de avaliar com os recursos estatísticos usuais, tais como pesquisas em larga escala, modelos como o levantamento da força de trabalho, dados da organização internacional do trabalho ou as próprias empresas que fornecem informações voluntariamente.

No que diz respeito ao microtrabalho sozinho, as estimativas variam descontroladamente. As mais conservadoras, como as do Banco Mundial, apontam para apenas 40 milhões microtrabalhadores. As mais exageradas, descrevem 300 milhões somente na China. Pessoalmente, eu estimaria que há em torno de 100 milhões de trabalhadores deste tipo no mundo. Mas a verdadeira questão é que estes 100 milhões são as sementes de uma tendência muito mais ampla. Se o microtrabalho indica uma maneira de trabalhar que está se tornando norma, quantos trabalhadores estão se transformando em microtrabalhadores?

E você diria que todo o trabalho está começando a se assemelhar ao microtrabalho?

Se analisarmos detalhadamente a evolução de algumas profissões particulares, podemos ver que estão se tornando fragmentadas e padronizadas. Podemos pegar como exemplo o jornalismo e os designers gráficos. Em vez de produzir uma campanha, uma investigação ou algum outro projeto, como há 10 ou 20 anos atrás, eles se encontram cada vez mais encarregados de produzir uma pequena parte de um projeto maior para editar uma linha ou para alterar a cor em um logotipo, enquanto o resto é distribuído para outras pessoas. O futuro do jornalismo não está ameaçado por algoritmos que escrevem peças no lugar dos seres humanos, mas sim pelos proprietários de “moinhos de conteúdo” que não exigem artigos inteiros, bastam três linhas que são usadas para otimizar algoritmos. Porque os sites nos quais estes textos aparecem são encontrados pelos motores de busca e não pelos leitores, os textos são adaptados com os algoritmos em mente. Tipos semelhantes de transformações parecem estar ocorrendo em vários setores.

Um aspecto interessante desses microtrabalhos é a simbiose entre processos automatizados e manuais. Há trabalhos que requerem máquinas e algoritmos de “ensino” para torná-los mais eficientes para uma determinada tarefa, como condução autônoma ou reconhecimento de imagem. Parece como o Star Trek no reverso, no qual não são mais as máquinas que trabalham para os seres humanos, mas os seres humanos que trabalham para as máquinas.

Em certo sentido, estamos vendo a velha ideia de que os computadores estão lá para nós revirarmos os comandos. O que está acontecendo agora é que esses objetos que são uma parte de nossas vidas cotidianas – nossos smartphones, nossos carros, nossos computadores pessoais e muitos outros objetos em nossas casas – são muitas vezes utilizados para executar os processos automáticos que chamamos de inteligência artificial. Por inteligência artificial, entendemos os processos que tomam decisões de forma mais ou menos automática, que aprendem, resolvem problemas e, finalmente, tomam decisões, inclusive compras, em nosso lugar. Mas o problema é que temos esta falsa ideia de que a inteligência artificial é inteligente desde o seu início. Pelo contrário, a inteligência artificial precisa ser treinada, e é por isso que usamos termos como “aprendizagem de máquinas”. Mas quem ensina inteligência artificial? Se ainda acharmos que a resposta são os engenheiros e cientistas de dados, então estamos cometendo um grande erro. O que a inteligência artificial realmente exige é uma enorme quantidade de exemplos e estes vêm de nossos próprios dados pessoais. O problema é que esta informação crua que nós produzimos precisa de ser refinada, límpida e corrigida.

Então é aqui que entra o microtrabalho?

Sim, quem quer fazer este trabalho degradante, de rotina? Muitas pessoas recrutadas por plataformas de microtrabalho são oriundas de países em desenvolvimento, nos quais o mercado de trabalho é tão precário e fragmentado que aceitam uma remuneração mínima. Em contrapartida, eles executam tarefas que podem incluir, por exemplo, a cópia de uma placa de licença de carro para fornecer dados para o algoritmo de gerenciamento de bilhetes de velocidade da auto-estrada ou para reconhecer 10 imagens que podem ser usadas para fornecer dados sobre o reconhecimento de padrões.

Mas como esta expansão do microtrabalho se relaciona com a estagnação dos mercados de trabalho nas economias capitalistas mais avançadas? No Reino Unido, por exemplo, há um emprego quase pleno, mas os empregos são cada vez mais precários e salários baixos.

Há uma tendência de longo prazo aqui que se tornou marca no final do século XX. Consiste na segmentação do mercado de trabalho através de uma divisão pronunciada entre Insiders, aqueles que trabalham em empregos ‘formais’ e Outsiders, que vivem de ‘empregos temporários’. Os chamados outsiders, que estão acostumados a passar de um trabalho para outro, são os primeiros candidatos nas plataformas de microtrabalho. O que também está acontecendo, no entanto, é que os empregos internos estão se tornando cada vez menos formais. O declínio do trabalho formal é o resultado de um ataque político aos direitos e inúmeros de trabalhadores assalariados com o objetivo de aumentar a participação de lucros em relação à participação salarial.

O que vemos como resultado nos mercados de trabalho ocidentais é um movimento contínuo de pessoas migrando de postos de trabalho tradicionalmente do setor formal para trabalhos informais. Esta tendência é tanto um resultado da enorme onda de demissões visto nos últimos anos, bem como da terceirização de processos produtivos. A terceirização faz com que as pessoas deixem trabalhos formais para se tornarem provedores informais para a mesma empresa que anteriormente os empregava. Essas pessoas, às vezes, são convidadas a deixar as empresas para criar suas próprias pequenas empresas se tornando subcontratadas de seu antigo empregador.

Então, o trabalho é mais transformado do que destruído. Este desenvolvimento pode ser explicado pelo novo capitalismo monopolista de hoje com alguns grandes monopólios, cada um dominando um serviço de plataforma específico?

Eu diria que há um processo de concentração do capitalismo, mas eu não concordo completamente com a noção de capitalismo monopolista. Eu tendo a seguir a escola de pensamento apresentada por Nikos Smyrnaios, um pesquisador grego, que escreveu um livro sobre o capitalismo oligopolista, especificamente sobre plataformas online e digital. O ponto de sua análise é o de que não existe tal coisa como uma abordagem monopolista para a economia digital. O que realmente acontece é que, por razões estruturais e políticas, estas plataformas tendem a tornar-se grandes agentes econômicos oligopolistas, criando o que os economistas descrevem como “oligopsônio”, ou seja, mercados dominados por alguns compradores, neste caso, os compradores de Trabalho. Assim, um punhado de grandes plataformas compra o trabalho de uma miríade de provedores, como acontece em serviços de microtarefas tomados pela Amazon Mechanical Turk. Estas plataformas não podem se tornar monopólios reais porque tendem a competir entre si.

Uma maneira de descrever estas plataformas hoje é usando acrônimos rápidos como o GAFAM (Google, Apple, Facebook, Amazon, e Microsoft). Há quatro ou cinco grandes atores, grandes plataformas, as quais, apesar de serem conhecidas por um produto específico – se é o motor de busca do Google ou o catálogo da Amazon –  não têm um produto ‘típico’.  Elas estão prontas para mudar regularmente os seus produtos e modelos. Vejamos a empresa-mãe Google: comercializa tudo, desde robôs-cães militares até tanques e soluções para combater a corrupção. A única coisa constante para essas plataformas em produtos e serviços é que elas dependem muito de dados e processos automatizados, o que agora chamamos de inteligência artificial. Para capturar os dados que necessitam para nutrir a inteligência artificial que criam e vendem, precisam de pessoas para criar e refinar esses dados. E assim estamos de volta ao nosso papel como produtores digitais de dados.

Então você concorda com o falecido Stephen Hawking: o problema não é os robôs, mas o capitalismo ou, falando de outra forma, quem controla os meios de produção algorítmicos.

Este sempre foi o principal problema. O ponto hoje é que os meios algorítmicos de produção se transformaram em uma desculpa para os capitalistas tomarem certas decisões, as quais, de outra maneira, causariam alvoroço popular. Se eu fosse um CEO de uma plataforma grande que tivesse declarado a minha intenção de “destruir o mercado de trabalho” eu, naturalmente, provocaria uma reação social séria. Mas se eu dissesse, “Eu não estou destruindo nada, isso é apenas progresso e você não pode detê-lo”, ninguém reagiria. Ninguém quer ser identificado com obscurantismo ou atraso, especialmente na esquerda ocidental, cuja identidade inteira está enraizada no materialismo histórico e no progresso social. Assim, o discurso cultural de “robôs que estão definitivamente indo para tomar nossos empregos” é projetado para aliviar os decisores industriais e políticos de suas responsabilidades, e para desarmar qualquer crítica, reação ou resistência.

Então, precisamos ser contrários a essas transformações apresentadas como eventos naturais ou mágicos, em oposição às escolhas políticas. Como você sabe, na década de 1970 houve uma releitura precoce do Fragmento das Máquinas de Marx, liderada por Toni Negri e outros, que desenvolveu a ideia de um “cognitariado” como uma nova classe política que poderia surgir a partir das novas formas de trabalho imaterial. De onde você acha que uma força política contestadora da automação de cima para baixo pode vir?

Minha história pessoal está enraizada em um meio intelectual específico: o pós-trabalhador italiano. No entanto, algumas de suas hipóteses precisam ser criticamente reavaliadas. Posso pensar em três em particular. A primeira é a noção marxista de um intelecto geral. Com as plataformas de hoje não estamos enfrentando tal fenômeno. Nosso uso de plataformas digitais contemporâneas é extremamente fragmentado e não há tal coisa como o progresso da inteligência coletiva de toda a classe operária ou sociedade. Os cidadãos estão enfrentando esforços implacáveis implantados por capitalistas digitais para fragmentar, padronizar, e ‘atarefar’ suas atividades e suas próprias existências.

O segundo ponto é que a maior parte da “teoria italiana” baseia-se na noção de trabalho imaterial. Mas se olharmos para plataformas digitais e para a forma como elas comandam o trabalho, vemos que não existe tal coisa como uma desmaterialização das tarefas. O trabalho de motoristas do Uber ou pilotos do Deliveroo depende de tarefas físicas, materiais. Mesmo seus dados são produzidos por um processo muito tangível, se apoiando em uma série de cliques que um dedo real tem que executar.

E, finalmente, precisamos contestar a ideia de que tal entidade política, uma classe de proletários cujo trabalho depende de suas capacidades cognitivas, realmente existe. Mesmo se isso acontecesse, poderíamos realmente caracterizar esta subjetividade política como um cognitariado? Se você ler  Richard Barbrook em A classe do novo verá que há uma longa lista de candidatos para o papel de esquerda patrocinando “subjetividades políticas emergentes”, um para cada vez que experimentamos mudanças tecnológicas ou econômicas. Entre o ‘ lumpemproletariado ‘, o ‘ cognitariado ‘, o ‘ cybertariado ‘, a ‘ classe virtual ‘, e a ‘ classe vetorialista ‘, a lista pode continuar para sempre. Mas qual destas entidades políticas e sociais é mais adequada para defender os direitos e avançar as condições dos seus membros? E o mais importante, que é capaz de superar a si mesmo?

O que quer dizer com superar-se?

O mundo não precisa de uma nova classe que simplesmente estabeleça o trabalho digital e da economia Gig como a única maneira de ser. Precisamos de um tema político que seja capaz de pensar em uma alternativa.

Qual você acha que deveria ser o papel do estado? Parece que os únicos dois ecossistemas nacionais que tentam governar a inteligência artificial são os Estados Unidos e a e China: vale do silício e o estado-conduzido ‘ grande firewall da China ‘. Onde é que isto deixa a Europa?

Há uma questão sobre qual o papel que se encontra o estado-nação em uma situação na qual você tem uma dúzia de grandes jogadores internacionais cujo poder, influência e peso econômico são tão vastos que, em alguns casos, eles superam os dos próprios Estados. No entanto, os Estados e plataformas não são concorrentes; eles conspiram. As multinacionais americanas são como o estado conduzido pelos chineses. Os fundos do governo dos EUA e os contratos com grandes agências têm mantido o Vale do Silício durante décadas. Além disso, há um efeito claro de porta rotativa: O CEO do Vale do Silício vai trabalhar para Washington, pensar tanques para o Pentágono, assim como o Google com Eric Schmidt, por exemplo.

Para ser contundente, os Estados devem regular fortemente essas multinacionais mas, ao mesmo tempo, eles devem adotar uma política extrema de laissez faire quando se trata de indivíduos, cidadãos e da sociedade civil em geral. No entanto, até agora, exatamente o oposto aconteceu: em geral, os Estados estão reprimindo qualquer tipo de desenvolvimento ou experimentação proveniente da sociedade civil. Eles estigmatizam projetos independentes, acusando-os de serem possíveis recipientes para terroristas, depravados sexuais e hostis. Enquanto isso, as grandes plataformas são deixadas livres para fazer o que quiserem. Esta situação tem de mudar se quisermos ter um progresso político e econômico efetivo.

 

Tradução: Priscila Pedrosa Prisco e Emerson Marques Pedro, publicado em Intersubversividades.

 

Newsletter

A política do microtrabalho e das máquinas

Cookies on our website allow us to deliver better content by enhancing our understanding of what pages are visited. Data from cookies is stored anonymously and is never shared with third parties.

Find out more about our use of cookies in our privacy policy.