A pandemia do coronavírus tem sido um lembrete da interconexão inerente da humanidade com o mundo natural. Ao mesmo tempo, a crise ameaça desvalorizar ainda mais a ação climática quando ela é mais urgente. Joan Herrera i Torres, ex-líder do Partido Verde Catalão, propõe uma agenda eco-social para a Europa pós-Covid baseada em três elementos-chave: proteger a biodiversidade, valorizar o local e acelerar a transição energética. No despertar da crise, a Europa está posicionada de forma única para buscar uma recuperação que responda às necessidades presentes e futuras. 

O conflito definidor do século 20 foi o conflito entre o capital e o trabalho. Com a virada do século, o conflito de gênero veio à tona, abrindo caminho para que o feminismo rompesse a fronteira público-privada e mostrasse como o sistema é carregado sobre os ombros largos das mulheres e seus cuidados. Hoje, todos os sinais sugerem que o conflito prestes a eclodir no século 21 é entre o capital e a biosfera – um conflito que expõe os limites físicos do crescimento e da extinção em massa de espécies que caracterizam nossa era, o Antropoceno. Os conflitos anteriores não desapareceram; pelo contrário, pioraram, mas agora existem em um mundo onde a humanidade está testando os limites do próprio espaço em que vivemos. 

O fogo, como diz Greta Thunberg, está a espalhar-se pela casa. À medida que as temperaturas continuam a bater recordes, os fracos resultados da ação climática internacional revelam uma desconexão entre a maioria dos governos mundiais e a ciência.

Configurando o mundo pós-Covid

A crise da Covid-19 pode empurrar ainda mais a agenda do clima para as margens do debate. As medidas sem precedentes tomadas no ano passado foram justificadas por argumentos de que eram necessárias para responder a uma emergência “real” como a pandemia. Esses argumentos distinguem entre o que é considerado uma emergência (interromper a propagação do vírus) e o que é considerado um prenúncio sinistro (a crise ambiental). A mudança climática, portanto, torna-se um fenômeno intangível que afeta o planeta, em vez de uma emergência tangível que prejudica os indivíduos. Isso obscurece os impactos reais da mudança climática na vida das pessoas: casas e bairros inundados; calor e frio extremos perdurados pelos mais vulneráveis; e a falta de proteção em face da perda de biodiversidade. Além disso, as mudanças climáticas e a extinção de espécies estão intimamente ligadas ao contexto em que as pandemias florescem e, portanto, à vulnerabilidade da humanidade. 

Em um mundo onde o colapso é possível, a prevenção deve estar na frente e no centro na hora de formular e implementar políticas públicas. 

A crise da Covid-19 é uma evidência de que o colapso em escala global é possível. Ficou claro que estamos intrinsecamente conectados em um nível global, além dos limites de nossas comunidades e países imediatos. A pandemia trouxe uma mudança irreversível de perspectiva. Durante décadas, a alocação de recursos foi orientada para aumentar a eficiência do mercado; direitos básicos como saúde foram mercantilizados; a competitividade ganhou precedência em relação à cooperação. Em um mundo onde o colapso é possível, a prevenção deve estar na frente e no centro na hora de formular e implementar políticas públicas voltadas para o combate às mudanças climáticas e construção de resiliência. O individualismo escarpado não desaparecerá mais. 

A pressão para garantir que os interesses públicos, a descomodificação dos direitos fundamentais e a cooperação prevaleçam exige uma nova agenda eco-social que pretende ser hegemônica. Essa agenda deve se concentrar em três aspectos principais: biodiversidade, o local e a transição energética. 

Protegendo a biodiversidade

Num mundo pós-Covid, as políticas de proteção e promoção da biodiversidade devem se tornar uma prioridade. Até o momento, a contínua extinção em massa de espécies tem recebido pouca atenção nas agendas dos governos. Hoje, a destruição da biodiversidade e da saúde são duas questões que podem ser claramente relacionadas. Como parte deste planeta, a maior garantia de sobrevivência da humanidade é a preservação dos serviços ecossistêmicos que proporcionam benefícios essenciais para a saúde humana. 

Para dar um exemplo: um debate em Barcelona nos últimos anos girou em torno da possível expansão do aeroporto e seu impacto nas áreas próximas que são protegidas, em particular no Delta do Llobregat. A expansão do aeroporto ameaçava uma rica área biológica e ignorou completamente a importância das terras agrícolas a volta. Atualmente, a melhor estratégia para qualquer região metropolitana é ter espaços dedicados à proteção da biodiversidade e áreas agrícolas para estimular a produção local. 

Valorizando o local

Isso nos leva ao segundo componente vital de uma nova agenda eco-social: o local. Ele pode ser dividido em dois aspectos fundamentais. O primeiro envolve a economia do cuidado e o aumento do valor – tanto em termos sociais quanto econômicos – vinculado ao trabalho cotidiano de cuidar dos outros, que muitas vezes é realizado por mulheres. A pandemia revelou como o trabalho de assistência – muitas vezes mal pago ou simplesmente não pago – constitui a base da vida. O reconhecimento do valor desse trabalho e a reavaliação dos salários, para uma melhor compreensão da lógica ainda vigente do mercado, são partes fundamentais da estratégia eco-social.  


O segundo aspecto relaciona-se a localização das cadeias de valor e fornecimento. A crise da saúde expôs a vulnerabilidade das sociedades dependentes de bens que, apesar de serem relativamente simples de produzir, são fabricados a milhares de quilômetros de distância. O fato de as máscaras faciais terem que ser enviadas da China para a Europa evidencia a fragilidade dos atuais modelos de produção e consumo. A tendência que começou na década de 1980 em países como o Reino Unido de abandonar a agricultura doméstica para substituí-la por produtos mais baratos cultivados em outros lugares deixa de fazer sentido.  


Economias globalizadas e hiperconectadas têm fraquezas; esta crise evidenciou a necessidade de um repensar. A indústria de serviços da Espanha sofrerá enormemente num mundo em que o turismo perde espaço, e o país deve ser capaz de neutralizar essa dependência inclinando sua economia para cadeias produtivas locais que possam internalizar o custo do transporte de mercadorias.  

Energia como um veículo de mudança

O terceiro pilar da agenda eco-social é a energia. Não só porque a energia é uma forma de enfrentar o desafio das alterações climáticas, mas porque é um ponto de partida para repensar o modelo de produção. Ao longo da história, a energia tem sido um meio de obter poder e controle. Hoje, não há razão para que o controle sobre as fontes de energia permaneça nas mãos de algumas corporações em vez de ser amplamente distribuído. Mover-se para um novo modelo de energia reduziria a dependência energética da Espanha, que, em 74 por cento, está bem acima da média da UE (60 por cento). Na Catalunha, o número chega a 90 por cento devido à baixa penetração das energias renováveis.  


Hoje, ao contrário do período pós-crise financeira de 2008, a energia mais barata vem de fontes renováveis. No caso da energia solar, os preços caíram drasticamente nos últimos anos. Um novo modelo de energia baseado na descarbonização também poderia ajudar a redistribuir a riqueza e criar uma estrutura produtiva e industrial com economia, eficiência, geração renovável e gestão da demanda.  

Não pode haver ilusão tecnocrática: o modelo social deve mudar e a sustentabilidade não será alcançada sem atrito político.

De muitas maneiras, essa nova agenda energética é sobre a mudança de hábitos. O melhor tipo de energia é a energia economizada, e agora é o momento de dobrar as políticas de economia e eficiência para garantir que as mudanças positivas ligadas à redução do consumo de energia que surgiram durante a pandemia sejam mantidas, como por exemplo, o trabalho remoto. A transição energética dependerá da transformação da mobilidade, com maior ênfase no trabalho de casa, caminhada, bicicleta, transporte público e modelos de compartilhamento de veículos – nessa ordem. Isso significa passar de uma cultura de propriedade do veículo para uma cultura de serviços compartilhados. A qualidade do ar como um problema primário de saúde pública que afeta as cidades hoje só torna essa mudança mais urgente. A agenda urbana é uma das mais complexas da arena política, mas nada é mais importante quando se trata de melhorar a qualidade de vida e instigar uma verdadeira transição energética. 

A agenda energética também apresenta uma oportunidade para partes despovoadas da zona rural da Espanha (leia mais sobre a divisão rural-urbana na Espanha) conhecida como España vaciada (“Espanha esvaziada”). Essas regiões têm potencial para oferecer mais do que belas paisagens – elas também podem oferecer atividade econômica, produção e indústria. A geração de eletricidade estimula o emprego, o que por sua vez traz maiores investimentos na região e no desenvolvimento. A expansão das energias renováveis deve ser feita de forma progressiva, com modelos de geração que recompensem os investimentos feitos pelas comunidades energéticas locais. Em um momento em que o setor de serviços corre o risco de regredir dramaticamente, a agenda energética pode ser parte de um movimento em direção à reindustrialização da Espanha. 

No entanto, devemos estar cientes das limitações impostas pela escassez dos raros minerais necessários para fabricar essas tecnologias, bem como os limites do crescimento em um planeta finito. Não pode haver ilusão tecnocrática: o modelo social deve mudar e a sustentabilidade não será alcançada sem atrito político. Um novo modelo de energia por si só não é suficiente, embora representasse um avanço significativo.  

Uma agenda global, uma proposta europeia 

Cada desafio global requer um certo grau de governança global e há muito trabalho a ser feito a esse respeito. Sob a administração Trump, os EUA estavam fora do jogo, resultando em uma falta de liderança global. Enquanto isso, a UE não apareceu. A eleição do presidente Joe Biden pode ser mais propícia a uma agenda ambiental, mas o número de eleitores que permaneceram leais a Trump mostra que sua administração foi a expressão política de um bloco social que está vivo e agitado.  

Este século será o século das mudanças climáticas, onde todos os conflitos estarão centrados no conflito entre o capital e a biosfera.

Apesar de um panorama tão sombrio, o surgimento de lideranças regionais e continentais capazes de estabelecer uma agenda mais definitiva é fundamental. A UE tem potencial para ser esse líder. Os elevados níveis de dependência energética na Europa obrigam as instituições da UE a conceber políticas muito mais decisivas do que noutras regiões. Por sua vez, a necessidade de encontrar novos setores para o desenvolvimento torna a agenda ambiental – e energética em particular – um fator determinante na mudança do modelo de produção. 

Depois de 2008, a União Europeia foi apanhada em suas políticas de austeridade calvinistas. Na despertar da crise atual, as políticas de austeridade ainda podem retornar, uma possibilidade que se aplica tanto ao sul da Europa quanto ao centro e ao norte da Europa. Seguindo em frente, as soluções lavadas de verde representam outra ameaça. O desafio será garantir que o investimento seja canalizado para a recuperação do interesse público e da coesão social, respondendo às necessidades presentes e futuras – ou seja, seguindo uma lógica verde. Reavivar a economia da Europa exige um plano econômico que trabalhe em prol da transformação socioecológica.  

Uma sociedade moderna e democrática é aquela que sabe antecipar os problemas futuros. Uma sociedade fraca é aquela que se arrasta diante de um desafio.

O caminho à frente apresenta riscos, mas também oportunidades. Para tirar vantagem disso, os Verdes precisarão do apoio de forças que ainda não estão a bordo para construir a hegemonia. Enfrentar as mudanças climáticas envolverá necessariamente agir não sozinho, mas com outras pessoas. A saída é coletiva; isto é, política. A transição ambiental será filtrada por toda a estrutura social, do imaginário coletivo à legislação, por meio de todos os orçamentos das diferentes administrações.  

Este século será o século das mudanças climáticas, onde todos os conflitos estarão centrados no conflito entre o capital e a biosfera. A questão não é mais se isso vai alterar as bases sobre as quais as políticas e a politicagem foram construídas, mas quando. Os impactos das mudanças climáticas serão sentidos de maneira ampla e profunda, exacerbando as tensões em uma grande variedade de questões, desde a migração até a distribuição de riqueza e as desigualdades de gênero. Resta saber se a agenda política e as propostas emergentes estarão à altura do desafio ou se continuarão a seguir cegamente no caminho da autodestruição. Uma sociedade moderna e democrática é aquela que sabe antecipar os problemas futuros. Uma sociedade fraca é aquela que se arrasta diante de um desafio. Para a Catalunha e muitos outros lugares da Europa que são particularmente vulneráveis aos impactos climáticos, há muito em jogo.

Cookies on our website allow us to deliver better content by enhancing our understanding of what pages are visited. Data from cookies is stored anonymously and only shared with analytics partners in an anonymised form.

Find out more about our use of cookies in our privacy policy.